Danae

Danae
Klimt, Gustav

terça-feira, setembro 04, 2007

Camille Claudel, "O Abandono", 1905

Pra ser lido ao som de Hallelujah - Jeff Buckley
http://br.youtube.com/watch?v=AratTMGrHaQ


poema/concerto para quatro mãos in câmara escura

As cordas de minha pele
há algum tempo adormecidas,
mal tocadas, feridas, mutiladas ...

Os acordes de minha carne
emudecidos, imolados, duramente abafados,
esquecidos de seu som ...

Acalentados por um sopro
distante, oloroso e quente.
Em meio ao sonho ‘luxurioso’
do qual não conseguem despertar.

Tocadas no aço que se fez tremura
por dedos inflamados de paixão,
num átimo, condenados ...
Não eram mais frios os meus acordes exaltados.

Concerto pulsante de fulgor e medo.
Entre lágrimas e ânsias,
entre o que ganho e o que peco (perco).
Em melodia suspirosa amanhecemos.
.
[11:48 __________ 00:12 / 04-05.09]
... .. . ... .. . ... .. . ... .. . ... .. . ... .. . ... .. . ... .. . ... .. .
.
"Eu lucro pela cor do trigo.
Eis, o meu trigo!"
.
[Carolina Miquelassi]

2 comentários:

Dyego Saraiva disse...

ama-se tanto para sempre, até que, em algum tempo, o sempre passou.

Carolina Miquelassi disse...

:(
o meu querido poeta já dizia 'o pra sempre, sempre acaba' ... ele só dura enquanto é pra sempre.